quinta-feira, 30 de abril de 2009

Takva - O Temor de um homem por Deus (2006)


Produção turca dirigida por Özer Kiziltan, Takva surpreende pela temática: Muharrem, o protagonista, homem de hábitos humildes e gestos modestos, temente a Alá, recebe uma promoção que fará com que ele lide com cobranças monetárias diariamente, e para essa função recebe um carro luxuoso, vestuário de ponta, e, por último, uma esposa.

Mas tudo gira em torno do protagonista timorato, com uma crença exacerbada em Alá, e talvez um celibato pouco voluntário. Tudo é feito sob os augúrios de um credo fechado, concêntrico, constritor. O filme vai mostrando como Muharrem vai se perdendo no meio do caminho, como as tentações o assombram, como os outros veem esse modo "monástico" do protagonista de viver em sociedade - quer dizer, o espectador verá que um monge não faz bom usufruto de tamanho luxo e disponibilidade - algo deve ser sacrificado para se manter a harmonia hermenêutica.

Para olhos atentos, o filme apresenta uma incisiva reflexão sobre o dinheiro e o poder nele incutido - basta assenhorear-se de uma quantia para assenhorear-se de algo mais significativo do que um mero papel imbuído de valor monetário. Dinheiro é poder, é coerção, é a mão que gira a engrenagem. E quando as engrenagens são outros seres humanos, não diferentes de nós, e somos nós quem retém o poder de girá-las?

O que fazer?

Este filme é ótimo em explorar o aspecto psicológico pelo qual passa uma pessoa nestas condições. Não é à toa que Erkan Can, ator que interpreta Muharrem, tenha recebido o prêmio de melhor ator no Festival de Filmes de Instambul. É realmente fantástico como ele representa com convicção um papel particularmente difícil.

4 comentários:

Jefferson disse...

Uma atuação inesquecível, de intensidade ímpar!

E algumas cenas ficaram gravadas de tal maneira, as alucinações...

Bom, recomendo a todos!

Fernando Pimenta disse...

Relevo a recomendação!

fahrendenspatz disse...

Takva - O Temor de um homem de Deus (2006), que acaba de ser exibido pela TV Cultura, é um filme surpreendente, com excelentes interpretação, técnica cinematográfica e roteiro. Um clássico do cinema.
Dizer que seu tema é o efeito causado pelo dinheiro é um eufemismo.
Acredito que os clássicos não são óbvios. Não é fácil desvendar o mistério desse filme, talvez com o tempo ou com alguma ajuda eu o entenda.
"A priori", pode-se perceber que ele está relacionado ao conflito interior entre o bem e o mal que todos os que procuram a perfeição moral encontram. O protagonista, Muharrem sintetiza bem esse conflito em algumas de suas últimas palavras ditas no filme, a um jovem.

Fernando J. Pimenta disse...

Olá, fahrendenspatz.

Tenho me surpreendido com o cinema turco, que não para de lançar excelentes filmes, mas este em particular tem um apelo distinto. Como você disse, pode ser uma grande metáfora entre o bem e o mal que cada um de nós trava durante a vida. E olha que batalha é essa: pode levar um homem à insanidade.

Eis um filme que preciso rever. Hoje eu o veria com outra cabeça.

Abraço,

Fernando