segunda-feira, 1 de março de 2010

A Johnny Cash

Tenho andado assim doente
Empurrado na corrente
Deste rio anil sem fim
Já sem lágrimas pra mim

Minha alma penitente
Traz em si o grão-presente
O meu bravo Robin Hood
Meus idos amores
Separados por cores
Mi'as caras bolinhas de gude

Tantas coisas eu não pude
Dizer ou definir
Coisas tais mi'a mente alude
E só meu cor pode sentir

Quand'eu sento e choro mudo
De alegrias estou surdo
Olhos cimentados, nublados
Mau-humor é meu escudo

Meu arnês de ferro e cobre
Já tão gasto se faz nobre
Recobre-se de pó, só
Sisudo e teso sofre

O forte odor de enxofre sobe
De tantas velharias
No tempo amealhadas
Sem qualquer categoria

Meus souvenirs de estrada
Duma morta idolatria.

6 comentários:

Edison Junior disse...

Legal. O engraçado é que é o segundo blog que fala de Johnny Cash que eu vejo hoje. Até procurei na Internet pra ver se era aniversário do moço...
Abração!

Fernando J. Pimenta disse...

Nossa, no mínimo curioso!! Bom, Johnny Cash nasceu em 26 de fevereiro!!

Mas eu nem sabia do fato. Simplesmente pensei naquela grande voz (estou sem rádio... rs), naquela grande personalidade, e saiu.

Abraço!

SIENITO disse...

Mi'as caras bolinhas de gude

Tantas coisas eu não pude
Dizer ou definir

Além de falar de um cara tão peculiar, dono de uma voz forte e cheia de personalidade - Um Artista Anti-Herói

Esses versos que escolhi, talvez seja tudo o que já quis dizer em tds as palavras que já expressei.
LINDO....

Cada vez um surpresa literária melhor que a outra!

Joakim Antonio disse...

Faço coro ao Edson Junior, só que estava vendo vídeos dele na madruga de ontem.

Consciência coletiva? Johnny Cash tem mesmo algum pacto e entra em nossas cabeças?!?!

Isso eu não sei, mas da sua estão sempre saindo coisas boas!

Abraços!

Fernando J. Pimenta disse...

Karen, sempre grato, sempre mesmo, pelas tuas visitas!! E "literário" é um adjetivo que me lisonjeia muito, mas é bem capaz que eu seria incluído na "literatura marginal", e não na "mainstream", uma vez que os cânones acadêmicos julgam-se sacros e imodificáveis. Obrigado.

Fernando J. Pimenta disse...

Hahaha... obrigado, Joakim. Estou lhe devendo visitas, assim como ao Édison. Puxa vida, a faculdade é ótima mas não há almoço de graça no universo... pagamos com tempo e com nossas energias para aprender. É uma pena eu não poder manter mais a assiduidade de outrora. Mas nos fins de semana eu espero ainda poder visitá-los todos.