segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Poesia Iugoslava Contemporânea

Citarei dois trechos importantíssimos na minha formação de aspirante a poeta. Não me considero um, embora faça poemetas simplicíssimos volta e meia. O livro é da editora Meca, 1987(São Paulo). O título é o mesmo que dei a este artigo. Prefácio, tradução e notas de Aleksandar Jovanovic.

MAR

"dorme
duas tardias borboletas apressam-se rumo ao sol traiçoeiro
e com a vinda da noite desaparecerão
e duas belezas com elas também"
(autor: Duchán Mátitch[1898-1979])

POEMA DA GRAMA

"Estou deitado no alto gramado e penso indeterminadamente.
Uma formiga sobre meu joelho, como o homem sobre o monte.
Inquieta, a formiga está parada. Eu me calo. E esse é meu poema.
Completamente pensativo, estou deitado no gramado. Os fios de grama silvam pesadamente como pedra."
(autor: Stevan Raftchkovitch)

3 comentários:

Lucas Pascholatti Carapiá disse...

Nossa! Difícil ver poemas TÃO pequenos assim e tão belos, sensíveis! Gostei, nunca havia eu lido um poema iugoslavo antes em minha breve vida experimento sentimental que tive até a atualidade... =D

Ta aí a indicação! Valeu =D

Tento passar aqui sempre que der! Mas ando sem tempo, fisioterapia e tudo mais... Tenho oq postar no meu blog, coisas para fazer, mas num tenho como sentar e fazer... =/ Quero ler a maioria das coisas que puder aqui!

=D

Fernando Pimenta disse...

Então! Poemas há no mundo todo... vez ou outra encontramos aquele que estávamos justamente buscando. Até lá lemos mil coisas que só nos serviram de subterfúgios. Talvez não haja um caminho que nos leve diretamente a algo, e os atalhos mostram-se mais longos que a verdadeira estrada, que o rumo que levávamos...

Até lá, há muito o que ler. Nossas vidas têm sido breves, aliás, o que consiste em 17 anos de existência haha... é risível quão curto é um ano, e multiplicado por 17, já se resume bem: é breve...

Que não sejamos como a bruma, que o vento vai levando pelo ar, que voa tão leve, mas tem a vida breve, e precisa que haja vento sem parar...

Criemos o tufão dentro de nós!

Leia quando der, e puder. Leiamos, vivamos...

Fernando Pimenta disse...

...aprendamos.