sexta-feira, 2 de maio de 2008

Anjos do Sol (I)

Assisti hoje a um filme brasileiro chamado "Anjos do Sol"(2006), e fiquei chocado. É um relato do sofrimento de crianças e adolescentes do sexo feminino sob as mãos de cafetões e cafetinas que as sujeitam às condições mais degradantes possíveis. E pensar que moramos no Brasil, "País de Todos", segundo slogan de um dos patrocinadores desse filmaço.

Como já diz meu professor de Sociologia, Sérgio, ao invés de dizer que o Brasil é um "país de todos", aproveitar-se-ia mais colocando-se uma mensagem na televisão, que apareceria nos intervalos de novelas e telejornais: "Se você está sujeito a trabalho escravo, se não te pagam pelo seu serviço e te colocam em condições desumanas, denuncie: só assim o Brasil será de todos." Mas parece que não é esse o interesse da elite por trás da Globo e de todas as outras megamídias.

É de destroçar o coração ver seres humanos sujeitos a todos os tipos de doenças sexualmente transmissíveis, a surras de seus "padrinhos"(o termo atribuído aos compradores de crianças), e sem a mínima oportunidade de exercerem seus direitos, assegurados pela Constituição! E tudo isso não existiria não fossem os cúmplices, os que fazem vista grossa e os todo-poderosos da política, que muito lucram com isso, sem dúvida. Trabalho infantil, escravo e exploração sexual comercial de crianças e adolescentes não acontecem sem esses elementos. Até porque a mentira tem perna curta, e logo alguém toma conhecimento do que acontece dentro das "Casas Vermelhas" espalhadas por todo este Brasil - de muitas cores e amores, mas, sem dúvidas, também de muitos horrores.

Por que nossos jornais não noticiam esses fatos nada saborosos que assolam nosso País? Isso acontece todos os dias, e enquanto eu escrevo isto sei que está acontecendo, não só no nosso país, mas em todo o mundo. E até no Orkut! Olha só o que saiu na Folha, ontem: CPI Encontra Pedofilia em Cem Álbuns do Orkut... Pois bem, já vou dizendo:
Estuprar não é humano. De todos os crimes, este certamente não pode ser cometido por um indivíduo que tenha qualquer resqüício de empatia por outrem. O indivíduo pode matar por ódio ou raiva e depois se arrepender. Mas o estupro envolve algo completamente diferente: o sujeito sente prazer com o sofrimento da vítima! Como isto poderia ser humano? Pois não é. É psicopatia, algo que todas as pessoas que sentem empatia umas pelas outras deveriam saber: o que é psicopatia. O link dá para o site, em inglês, onde eu comecei a descobrir o que é psicopatia. O primeiro parágrafo resume perfeitamente(tradução minha):

"Imagine - se você conseguir- não ter uma consciência, nada, nenhum sentimento de culpa ou remorso não importa o que você faça, nenhum sentimento de preocupação pelo bem-estar de estranhos, amigos, ou mesmo membros de sua família que o limite. Imagine não existir dentro de você qualquer luta contra a vergonha, não sentir vergonha por nada sua vida inteira, não importa quão egoísta, preguiçoso, imoral ou perigoso o que você tenha feito."


É de espantar, não é mesmo? Acima de tudo, entender o que é psicopatia me deixa mais humano. Eu quero fazer exatamente o oposto que eles conseguem fazer. Tornar-se humano adquire significado. Tornar-me humano, eis a questão. Antes que seja tarde demais. Depois de ler este artigo, nada como ouvir Ennio Morricone.

2 comentários:

Jefferson disse...

Eu li seu post, falta ouvir a música!

Fernando Pimenta disse...

E que música!