quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

Revolta!


cartum: Latuff

Famílias nas ruas
Vivendo nas calçadas,
Deixadas
Pra rezar pro céu
Pra rogar perdão
Mas não!

O céu vem depois
E o que fizemos nós
Pra tirá-las da miséria?
Aqui não é Argélia, Nigéria
Vivemos no Brasil

Terra da alegria
Mas que alegria é essa?
Vivendo com pressa
Virando a cabeça
Pro lado
Quando vemos o sujeito
Marginalizado?

É esse o futuro da Nação?
A precária educação -
A probreza - tristeza
Uns poucos comem ostra
A maioria sobrevive
À base de pão - que o governo amassou
Ladrão.

Que futuro é esse, meu irmão?

O País do futebol
Eterno besteirol
Cerveja, carnaval -
Cara de pau
Opressão medieval

Chega de mentira
É hora de agir
Expressando a nossa ira
Nós vamos resistir!

4 comentários:

Nina disse...

Nós vamos resistir!Comendo o pão que o maldito governo amassou e generosamente distribuiu aos pobrezinhos e negrinhos famintos que, coitadinhos, não têm capacidade mental suficiente para serem tratados como seres humanos.
Isso realmente me REVOLTA.
Me revolta como ainda tenha que existir o dia da consciencia negra quando, na minha concepção, consciência não tem cor.O que tem cor é só a pele, e mais nada.As idéias, os atos, as lutas, não tem cor.
adorei o texto.
abraço!!

Fernando Pimenta disse...

Exato. É esse o espírito da coisa. A pele não colore a alma de ninguém.

José Minervino Neto disse...

Saudações, companheiro! Primeiro, obrigado pela visita ao meu blog. Segundo, a charge fala por si só, mas aliada ao seu poema ampliou-se sua dimensão. Parabéns pelos belos poemas!

Abraço.

Fernando J. Pimenta disse...

Muito obrigado, José! Continuarei visitando teu belo blog.