quinta-feira, 15 de julho de 2010

Fernando Pessoa

O cão late - a porta bate
Crianças brincam na rua
Cai com estrondo o abacate
E a grácil moça se amua

Prostrada em sua janela
Radiante em seu sorriso
Sabe-se lá o que há nela
Quando passa o Seu Narciso

Seu Narciso, grande e gordo
Bonachão e brincalhão
Evinha, eu beijo, não mordo...
Dê-me cá tua bela mão.

Narciso logo gargalha
Rir é meu maior amigo
Coisa boa é ser canalha
Mas bem isso eu não consigo...

Rir é coisa muito boa
Chorar de rir, pois então...!
Como o leve som ressoa...
Quando tudo é solidão

Como o leve som ecoa
Quando a vida já diz não
E desperta na garoa
O desejo de união

O céu cerrado trovoa
É a chuva, Narcisão...!
O bom Fernando Pessoa
Nos deixou sua emoção

Emoção deste viver
Em versos nossa versão
Maravilhada da vida
Como a chuva no verão.

3 comentários:

Arthur Attili disse...

Muito bonito, cara!

Fazia um tempo que não dava uma passada por aqui

tá de parabéns!

Edison Junior disse...

Legal mesmo. Abraços!

Fernando J. Pimenta disse...

Valeu, Arthur!!

Obrigado, Édison!

Sempre grato com a visita de vocês, meus compadres!