quinta-feira, 1 de outubro de 2009

Meu canto de amor

Que mundo bonito
Eu fito
Deitado
No topo da mangueira
Suado

Entoo
O fado
E rogo à minha maneira

Perambula o vento
Deambula o mundo
Tudo treme
E eu deitado
Mudo
Teso e manso

Nas alturas
Encontro, enfim
O meu descanso
E danço, danço

Com a ponta dos pés
E das mãos
Agarrado à árvore
Olhos cerrados
Este símbolo eterno da vida

Minha... vida
Meu olhar
Sobre o mundo
Vivendo no mundo
Eu irei te encontrar

2 comentários:

Meg / Bombs disse...

me lembrou Vidas Secas. mas não sei pq hahaaha

Fernando Pimenta disse...

É divertido fazer ligações desconexas. Procuramos uma razão ulterior a tudo, mas há coisas que não conseguimos explicar.... rs... eu não consigo fazer nenhuma ligação entre Vidas Secas e o poema, mas é isso que torna a leitura divertida!