sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Sujar-se amar-se

Nós surgimos da sujeira
Nos sujamos com asneiras
E na nossa insurgência
Assopramos brincadeiras

Como as velas sobre o bolo
O sorriso de apagá-las
Tudo é riso, nada é choro
Prontas todas nossas malas

Crianças, onças criadas
Subindo alegres escadas
Um tropeço uma risada
Não foi nada - nada não

Um nadinha de arranhão
Beija, sopra, casa, sara
A menina de tiara
Em seu baita sorrisão

Nossas festas de infância
Nossas festas de criança
Corre, brinca, enche a pança
Sem vergonha de engordar

Sem vexame de babar
E completo se sujar
Respirar de novo o ar
Deste infinito mar.

2 comentários:

Edison Junior disse...

Passando para desejar um bom feriado! Abraços!

Fernando J. Pimenta disse...

Obrigado, Edison!

Igualmente um ótimo feriado prolongado para ti!